A A A
Afinal, o que é maltrato? PDF Imprimir E-mail
Direito Animal - Textos e Artigos
24-Out-2010
Ivana Maria França de Negri

O prefeito de Piracicaba vetou o projeto de lei do vereador Laércio Trevisan Júnior que havia sido aprovado pela Câmara de Vereadores, a fim de estabelecer normas aos maus tratos e crueldades contra animais. Primeiro terão que decidir quais crueldades são lícitas e quais não, para então aprovar a lei.

Templos religiosos de umbanda e candomblé, que ainda utilizam a prática de sacrificar animais em seus rituais, estão pressionando as autoridades para que a lei assegure a continuação de suas "tradições" oriundas da África. Para mim, maltrato é maltrato, crueldade é crueldade, não importa a finalidade e nem se é uma tradição milenar. É preciso quebrar paradigmas, evoluir.

Leis federais asseguram a liberdade de culto religioso, por isso o procurador diz que a lei fere normas.

O secretário de governo, por sua vez, advertiu que a regulamentação da lei também tornaria inviável o funcionamento de granjas e abatedouros em Piracicaba. Essa declaração só vem comprovar que existe muita crueldade na indústria da carne.

Por que se criam leis que protegem apenas cães e gatos? Por acaso os outros animais são insensíveis? Não merecem também um pouco de nossa misericórdia?

São Paulo é o único estado com uma lei que obriga frigoríficos a matar suínos e bovinos sem que eles sintam dor. A lei é de 1995, mas se sabe que em 70% dos abatedouros municipais de São Paulo a lei não é cumprida. Nos outros estados nem lei há. O jeito mais comum de matar um porco ainda é sangrá-lo na garganta e jogar sua carcaça num caldeirão de água fervente quando o animal, muitas vezes, ainda está vivo.

Nervo é nervo, não importa se dói em humanos ou num peixe. E por que é tão difícil implantar a lei de abate humanitário? Porque encarece a produção, e o objetivo final é produzir mais e com menor gasto. Então, mata-se da maneira que for mais barata e não menos cruel. Infelizmente o ser humano coloca em primeiro lugar sempre o dinheiro. Para que insensibilizar o animal antes de matá-lo se fica mais caro? A dor dói nele e isso não interessa ao produtor.

A indústria voraz e sedenta por lucro não se importa nem um pouco com o sofrimento das criaturas. Frangos, bezerros, carneiros, porcos, bois, cabritos, são submetidos a diversos graus de tortura desde o nascimento até o abate.

Apesar de o termo "abate humanitário" ser uma bravata verbal criada por aqueles que lucram num sistema cujo único propósito é a economia, sempre é um meio de minimizar o sofrimento.

A humanidade clama por paz, mas não deixa os outros seres da criação viverem em paz. E por isso não consegue alcançá-la. Enquanto não despertar sua consciência e continuar em sua cegueira mental, o homem não alcançará a almejada paz.

Infelizmente estamos a anos-luz de uma harmonia universal onde todos os seres sejam respeitados igualmente. A humanidade ainda não pratica "Ahimsa", a compaixão, a benevolência, a caridade. E as leis capengas acabam não sendo iguais para todos.

Ivana Maria França de Negri é escritora

http://www.gazetadepiracicaba.com.br/conteudo/mostra_noticia.asp?noticia=1712709&area=26010&authent=61236189EE9EE7546612DDB9ABA227
 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal