A A A
Ética e legislação na defesa dos animais PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - BRASIL
22-Nov-2013
Se é um animal sem autonomia, sem razão, a sociedade deve ser a defensora dos seus interesses enquanto ser que sente, sofre, e tem total direito à vida

José Cabral da Silva Dias
Em outubro, assistimos a invasão do Instituto Royal, em São Roque, por mais de 100 ativistas que levaram dali 178 cães da raça Beagle e sete coelhos usados em testes de produtos farmacêuticos. Os ativistas alegavam que os animais sofriam maus-tratos no laboratório. Não faltaram posicionamentos favoráveis e contrários à invasão, e os debates alcançaram a sociedade como um todo.
Se é ponto pacífico que animais sentem dor, as pesquisas científicas são submetidas a comitês de ética, além de seguirem normas do Concea (Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal), que protegem o bem estar desses animais.
Testes em animais ainda são fundamentais em diversos casos, já que a experimentação de produtos farmacêuticos diretamente em humanos pode ser até letal. Segundo a Sociedade Brasileira de Biotecnologia, todos os medicamentos registrados na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), computam o uso de animais em seu desenvolvimento.

A Declaração Universal dos Direitos dos Animais diz em seu artigo 8º que: (a) a experimentação animal, que implica em sofrimento físico, é incompatível com os direitos do animal, quer seja uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer outra; (b) técnicas substitutivas devem ser utilizadas e desenvolvidas.
No artigo 6º dos "Princípios Éticos na Experimentação Animal" ( do Colégio Brasileiro de Experimentação Animal), orienta-se que devemos considerar "a possibilidade de desenvolvimento de métodos alternativos, como modelos matemáticos, simulações computadorizadas, sistemas biológicos "in vitro", utilizando-se o menor número possível de espécimes animais, se caracterizada como única alternativa plausível".

Já o artigo 7º dos "Princípios", orienta que os animais devem ser utilizados "através de métodos que previnam desconforto, angústia e dor, considerando que determinariam os mesmos quadros em seres humanos, salvo se demonstrados, cientificamente, resultados contrários".
A Lei nº 9.605, de 1998, conhecida como "Lei dos Crimes Ambientais", prevê detenção, de três meses a um ano, e multa, àquele que praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais, "ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos". A Constituição Federal, em seu inciso VII do Artigo 225, veda práticas que submetam animais à crueldade.
As orientações internacionais impõem a aplicação de meios alternativos à utilização de animais em laboratório, permitindo-os somente nos casos em que são absolutamente fundamentais. Mesmo assim, a prática de atos cruéis é devidamente punida nos termos da lei brasileira.

Mas em 2008, foi sancionada a Lei 11.794, conhecida como "Lei Arouca". Ela já nasceu defasada e com linguagem inadequada, tratando os animais como "coisas", como "materiais para uso", em um claro retrocesso ético para o país.
Em nenhum trecho da lei, há a menção explícita à utilização do princípio dos "3 Rs" internacionalmente estabelecidos desde 1959 como marco para a reflexão ética sobre a utilização de animais em pesquisa: replacement (substituição), reducement (redução) e refinement (refinamento).

Os "3Rs" prevêm a utilização de técnicas refinadas para diminuir a dor das cobaias, redução do número de animais para a pesquisa e substituição deles por métodos alternativos. Há a citação, na lei Arouca, que o número de animais empregados na pesquisa seja o mínimo necessário. Com boa vontade, vemos ali "1 R". Os outros dois não aparecem.

Urge melhorar a legislação, estabelecendo novos critérios para a pesquisa médica. Em uma República, onde o poder emana do povo e para o povo, o povo deve estar na base das discussões. A Lei deve promover uma integral transparência para a utilização de animais em testes, cabendo a todas as instâncias da sociedade, em especial ao próprio povo, fiscalizar e coibir abusos e maus-tratos.
Os ativistas podem se posicionar contra as empresas que utilizam animais para pesquisas de cosméticos, deixando de utilizar seus produtos. Já a área da medicina é mais complexa. Não se pode simplesmente parar de tomar um remédio ou barrar as pesquisas. O teste de fármacos para pressão arterial, por exemplo, demanda a utilização de animais, de organismos vivos inteiros, para medir a toxicidade da droga para outros órgãos. Mas devemos cobrar, sempre que possível, a utilização de métodos alternativos, como prevêem os códigos internacionais.

O sujeito da pesquisa deve ser respeitado sempre em sua integridade. Se é um animal sem autonomia, sem razão, a sociedade deve ser a defensora dos seus interesses enquanto ser que sente, sofre, e tem total direito à vida.

José Cabral da Silva Dias é advogado, professor de Direito Constitucional e Diretor de Faculdade ( Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email )
 
 

 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal