A A A
Justiça acolhe ação civil e suspende de vaquejada em Palmeira dos Índios (AL) PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - BRASIL
11-Nov-2016

Leia mais em: Especial Vaquejada

Por Jobison Barros | Portal Gazetaweb.com
Evento  aconteceria entre os dias 10 e 13 de novembro



FOTO: VALDIVAN VELOSO/GLOBOESPORTE.C


A juíza da 2ª Vara de Palmeira dos Índios, Clarissa Mascarenhas, determinou, em caráter liminar, nessa quinta-feira (10), a suspensão da 25ª Vaquejada Ulisses Miranda 2016, que seria realizada nos dias 10, 11, 12 e 13 de novembro. A decisão atende a uma ação civil do Ministério Público Estadual (MPE), sob alegação de que a prática esportiva gera sofrimento aos animais envolvidos no evento.

De acordo com a decisão judicial, o artigo 300 do Código de Processo Civil (CPC) determina que "(?) A tutela de urgência será concedida quando houver elementos que evidenciem a probabilidade do direito e o perigo do dano ou o risco ao resultado útil do processo (?)". A magistrada também menciona decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF), que, por maioria de votos, entendeu como "cruel e maldosa a prática em comento, fundamentando a decisão na afronta às normas constitucionais, concluindo pela inconstitucionalidade de uma lei estadual do Ceará que regulamentava a realização de tais eventos".

Na liminar concedida, a juíza compreende que a vaquejada trata-se de uma expressão cultural e tradicional, principalmente na Região Nordeste, mas não pode se justificar o possível sofrimento aos animais, desrespeitando dispositivos no ordenamento jurídico. Conforme argumenta Clarissa, a proteção da fauna é medida necessária que torna efetivo o direito ao meio ambiente equilibrado.

"Outrossim, caso reste demonstrado através de estudos e perícias médicas que tais atividades não provocam quaisquer tipos de danos ou lesões aos animais, nada impede a revisão do posicionamento adotado", declara a juíza.

A magistrada esclarece, no entanto, que a vedação se refere, somente, à prática da vaquejada ou de qualquer manifestação que ponha em risco a integridade ou cause maus-tratos aos animais, o que não impede a realização da parte musical do evento, desde que atendidos os requisitos legais.

Por tais razões, a juíza defere a tutela de urgência requerida em caráter liminar, determinando a suspensão de qualquer forma de competição ou apresentação com a utilização de animais, levando em conta o evento organizado pela Associação dos Vaqueiros do Brasil (AVAQ), seja entre os dias 10 e 13 deste mês ou em data posterior, sob pena de multa diária no valor de R$ 100 mil e apreensão dos instrumentos utilizados na vaquejada.

AÇÃO CIVIL

Para a promotora de Justiça Salete Adorno Ferreira e o defensor público Fábio Ricardo Albuquerque de Lima, os organizadores e participantes da vaquejada praticam atos que caracterizam maus-tratos contra animais, uma vez que lhes causam sofrimento, principalmente quando ocorre o puxão da calda e a queda provocada pelo vaqueiro. No evento previsto para começar nessa quinta, haveria as modalidades de vaquejada com bovinos e equinos.

ADIAMENTO


A 25ª Vaquejada Ulisses Miranda foi adiada após determinação da organização do evento esportivo. A decisão foi tomada depois de a 3ª Promotoria de Justiça de Palmeira dos Índios e a Defensoria Pública Estadual ajuizarem ação civil pública ambiental - com pedido de liminar - para proibir a realização do evento.

Henrique Carvalho, vice-presidente da Associação Alagoana dos Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ALQM), argumentou que a vaquejada foi analisada e aprovada através de laudos técnicos por 14 Conselhos Regionais de Medicina Veterinária (CRMVs) e pelo próprio curso da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

"Respeitamos todo o procedimento exigido para este evento. Tem protetor de caudas para afastar fraturas, colchão de areia para amortecer a queda e não há lesão muscular nem óssea. Não poder tocar no boi, não pode haver choque elétrico no curral, além de ter água e comida o tempo todo. Por outro lado, o vaqueiro tem que estar com capacete, é proibido chicote e qualquer sangramento do boi desclassifica automaticamente o competidor. Todo o evento ocorre sob os olhares dos juízes do Bem estar animal bovino e equino. Além disso, os animais passam por vários exames médicos", explicou Henrique.
 
 
 
 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal