A A A
Lei que restringe comércio de animais gera impasse em Curitiba/PR PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - BRASIL
15-Set-2012
 
Petição on line pede que normas sejam revistas. Sociedade Protetora dos Animais afirma que legislação é benéfica

Mariana Franco Ramos - Redação Bonde
A lei 13.914, que desde dezembro de 2011 disciplina o comércio de animais de estimação em Curitiba, está gerando um impasse entre criadores e organizações não governamentais.

O Kennel Clube da Grande Curitiba, que integra a Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), criou há quatro dias uma petição on line pedindo a revisão da lei. Até o início da tarde deste sábado (15), 170 pessoas já tinham assinado o documento, intitulado "Curitiba – vergonha para a Cinofilia Mundial".

Segundo a organização, os criadores vivem hoje o medo de serem privados da companhia de seus animais. "Extinguir os criadores filiados à CBKC não contribuirá para o fim do abandono ou a diminuição da população dos animais de rua. Apenas beneficiará os comerciantes que procriam animais sem nenhum critério, visando apenas o lucro", diz a petição.

Já a Sociedade Protetora dos Animais de Curitiba (SPAC) afirma que a lei é benéfica e que deveria inclusive ser muito mais rígida. "Uma das coisas que queríamos é que o animal fosse castrado antes da venda, o que acabou não sendo incluído. Ainda assim a lei já possibilita que haja um controle. A gente recebe vários animais de raça em estado latismável, mesmo vindo de criadores", argumenta a presidente da SAPC, Soraya Simon.

De acordo com ela, os criadores que estão reclamando das normas já descumpriam a legislação antes. "A diferença é que isso agora está sendo fiscalizado. Se eles não têm condições de cumprir as determinações, que façam como a gente tem feito há muito tempo, que é castrar o animal e encaminhar para um lar", completa.

Entenda a lei - O Código de Saúde do Estado do Paraná, de novembro de 2001, já proibia a procriação de bichos para fins comerciais nas áreas urbanas, como é o caso da capital paranaense. O que a lei 13.914 faz é detalhar as regras para criação e venda dos animais vivos.

A legislação exige, por exemplo, que os locais estejam com os alvarás de funcionamento em dia, que os profissionais sejam registrados nos conselhos de classe correspondentes e que a venda ou doação só ocorra com os bichos devidamente microchipados.

Os estabelecimentos devem, ainda, dispor de equipamento de leitura universal de microchip e manter a documentação atualizada dos criadouros de origem, com CNPJ, endereço e responsável técnico.

O valor das multas para quem desrespeitar as determinações varia de R$200 a R$ 200 mil.

Cadastro - A Rede de Defesa e Proteção Animal, da Prefeitura Municipal de Curitiba, oferece um Sistema de Cadastramento e de Identificação Animal (SIA) através da utilização de microchips. Até o fim de agosto, 7.377 animais já estavam cadastrados no sistema. A página da rede na internet é www.protecaoanimal.curitiba.pr.gov.br

A prefeitura também recebe denúncias de maus tratos ou de comércio ilegal. Elas podem ser feitas por meio da internet ou pelo telefone 156.
 
 

 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal