A A A
“Órgão-em-chip” é opção para substituir experimentação animal em estudos científicos PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - BRASIL
24-Out-2016
 
Dispositivos feitos com materiais simples reproduzem padrões fisiológicos de órgãos e tecidos para ensaios toxicológicos

Por Júlio Bernardes - Editorias: Tecnologia
Com materiais simples e de fácil obtenção, pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP desenvolveram “órgãos-em-chip”, dispositivos que imitam sistemas biológicos, como tecidos e órgãos do corpo, para realizar ensaios toxicológicos. Em trabalho de doutorado, o pesquisador Paulo Carneiro Leão, em conjunto com pós-doutoranda Ana Carolina Urbaczek, criou um ambiente similar aos vasos sanguíneos com transparências de poliéster e toner de impressora para cultivar células humanas e estudar os efeitos das nanopartículas de dióxido de titânio (TiO2), usadas em protetores solares e cosméticos. Os “órgãos-em-chip” são uma alternativa para substituir animais em pesquisas científicas.


Modelo do dispositivo que reproduz os vasos sanguíneos do corpo humano – Foto: Cedida pelo pesquisador


“A pesquisa demonstra a possibilidade de confecção de chips biomiméticos com materiais baratos e facilmente encontrados em laboratórios e escritórios, permitindo que essa tecnologia seja disponibilizada a laboratórios que dispõem de poucos recursos”, afirma Carneiro Leão. “Como o dispositivo é um modelo reducionista de sistemas biológicos, padrões fisiológicos de órgãos, tecidos e suas interações podem ser mimetizados a partir da convergência de técnicas utilizadas na indústria de microeletrônicos com a microfluídica e a biologia celular.” O estudo foi orientado pelo professor Emanuel Carrilho, do IQSC.

“Órgãos-em-chip” são dispositivos que visam à mimetização de padrões fisiológicos de órgãos, tecidos e suas interações. “Desse modo, é possível alcançar resultados com menor variabilidade, em menor tempo e com custos reduzidos, quando comparados ao uso de animais em pesquisa”, conta o pesquisador. “Eles podem ser confeccionados em diversos materiais. Tipicamente, utilizam-se materiais poliméricos, como o polidimetilsiloxano [PDMS], um elastômero à base de silicone, acrílico ou, até mesmo, vidro”.

Atualmente, as nanopartículas de TiO2 estão presentes em uma variedade de produtos de uso cotidiano, como protetores solares e cosméticos. “Sua contribuição a mecanismos de citoxicidade ainda é desconhecida, mas sabe-se que a exposição às nanopartículas por longos períodos pode trazer alguns riscos à saúde, pois estão associadas a mecanismos de estresse oxidativo, o que torna necessário o estudo dos efeitos biológicos”, afirma Carneiro Leão. “Conforme relatado na literatura científica, é bem conhecido que nanopartículas podem ser mais tóxicas do que partículas maiores do mesmo material, haja vista a sua maior área de superfície, reatividade química e maior capacidade de penetração.”

Canais micrométricos


A pesquisa utilizou transparências de poliéster, usadas em apresentações de aulas e palestras, e toner de impressão, para produzir o dispositivo. “Ele é fabricado pela impressão direta de padrões característicos, por meio de uma impressora a laser, nas transparências”, relata o pesquisador. “Os padrões formam uma rede de canais micrométricos, onde são cultivadas células sob condições semelhantes àquelas encontradas no corpo humano. Líquidos com nutrientes que sustentam o cultivo celular fluem através desses canais.”


Diagrama mostra os filmes de poliéster usados na produção do dispositivo – Ilustração: Cedida pelo pesquisador


O estudo empregou células endoteliais de veia de cordão umbilical humano, mimetizando um vaso sanguíneo. “Recria-se, então, o contexto biológico que as células experimentam no corpo, por meio de um controle preciso da mesma escala em que as células normalmente residem, micrométrica ou manométrica, forças mecânicas, gradientes químicos e interações célula-célula e célula-matriz”, diz o pesquisador. “As células foram cultivadas e providas de condições para sua sobrevivência com o auxílio de um sistema de perfusão externo, que serviu para a sua operação fluídica e também para simular forças hemodinâmicas sob o cultivo de células.”

De acordo com Carneiro Leão, diversas pesquisas têm se beneficiado com os “órgãos-em-chip”. Entre elas, estão as que visam à elucidação de mecanismos biológicos para uma melhor compreensão de doenças, descoberta de novos fármacos e ensaios toxicológicos.

“O nível de informações fisiológicas obtidas com os ‘órgãos-em-chip’ é mais fidedigno do que aquele que se dá por experimentação animal, sendo mais relevante e efetivo para a compreensão e melhoria da saúde humana”, destaca. “E além das questões éticas, a utilização de animais em pesquisa também constitui um fator econômico, pois animais precisam ser acondicionados em locais especiais, alimentados e mantidos sob condições de higiene e saúde.”

Mais informações: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email , com Paulo Carneiro Leão
 
 

 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal