A A A
Protesto contra puxada de cavalos termina em agressão em Pomerode/SC PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - BRASIL
18-Abr-2010

Representantes das ONGs Amabicho e Aprablu ficaram feridos na cabeça

Manifestantes foram agredidos com pedras e pauladas - Foto:Rafaela Martins

 Manifestantes foram agredidos com pedras e pauladas - Foto: Rafaela Martins

 

O protesto contra a puxada de cavalos terminou em agressão a pedras e pauladas neste domingo à tarde, na localidade de Ribeirão Souto, em Pomerode, no Vale do Itajaí. Quatorze manifestantes das ONGs Aprablu e Amabicho ficaram feridos no confronto com os organizadores e participantes da puxada.

A presidente da Aprablu, Bárbara Lebrecht, foi empurrada e machucou a perna. Outras duas manifestantes foram feridas na cabeça. O cinegrafista da TVBV Luiz Deluca, 25 anos, foi agredido a tapas no pescoço e teve o equipamento destruído.

Era pouco mais de 14h quando iniciava a quinta rodada da puxada de cavalos, na arena improvisada em terreno próximo ao Clube de Caça e Tiro Germano Tiedt. O evento, organizado pelo Clube do Cavalo, reunia 25 participantes, 60 animais e era assistido por cerca de 200 pessoas.

A Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e o Samu foram acionados, mas chegaram cerca de 15 minutos após o protesto. Os manifestantes foram à delegacia registrar boletim de ocorrência.

As pessoas que protestavam criticavam o uso dos cavalos em provas, cujo objetivo é medir a força do animal, arrastando sacos de areia de até 2 toneladas por uma distância de 10 metros.

JORNAL DE SANTA CATARINA
http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default.jsp?uf=2&local=18&section=Geral&newsID=a2876366.xml

Veja a convocação para o protesto


Inquérito apura agressões durante puxada, em Pomerode

Em 30 dias, delegado responsável promete concluir as investigações

O delegado responsável de Timbó, Luiz Carlos Gross, vai instaurar inquérito policial para apurar os casos de agressões durante a puxada de cavalos, domingo, no Bairro Ribeirão Souto. Na próxima semana, ele começa a ouvir as pessoas envolvidas.

Para dar prosseguimento às investigações, a Polícia Civil aguarda o resultado dos exames de corpo de delito feitos pelas vítimas nesta segunda-feira no Instituto Geral de Perícias (IGP) de Blumenau. O prazo para a conclusão do inquérito é de 30 dias.

Manifestante passa por cirurgia

Às 18h desta segunda-feira, a presidente da Associação de Proteção aos Animais de Blumenau (Aprablu), Bárbara Lebrecht, passará por uma cirurgia no fêmur, fraturado domingo ao ser agredida por integrantes da puxada. De manhã, no IGP, a manifestante Patrícia Luz estava com seis pontos na cabeça. Ela apanhou com um sarrafo.

Assista ao vídeo das agressões durante a puxada deste domingo.

http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default.jsp?uf=2&local=18&section=Geral&newsID=a2877419.xml

Mulher ferida em puxada de cavalos, em Pomerode, Vale do Itajaí, passa por cirurgia

Agressão aconteceu durante um protesto contra o evento, no domingo

Uma das mulheres agredidas durante o protesto contra uma puxada de animais, em Pomerode, Vale do Itajaí, continua internada no Hospital Santa Catarina, em Blumenau. Bárbara Lebrecht, 58 anos, que fraturou o fêmur após ser empurrada, no domingo, passará por uma cirurgia no final da tarde desta segunda-feira.

Ela também foi apedrejada e chutada durante a manifestação. Além dela, outros 13 voluntários de organizações protetoras dos animais ficaram feridos.

A comerciante, que integra a Associação de Proteção aos Animais de Blumenau (Aprablu), conta que, para se proteger dos agressores, teve de correr cerca de 200 metros até o carro com o fêmur fraturado. Bárbara ainda dirigiu o automóvel até um posto de gasolina próximo ao local da Puxada, na rua Ribeirão Souto.

— Não lembro bem como foi. Só vi que me empurraram, chutaram e bateram com um pedaço de pau. Também me jogaram ovos podres. Entre a dor e o fedor que eu estava, não sei o que era pior — diz ela.

Bárbara deve ficar internada no hospital por mais alguns dias, em recuperação. Ela espera que o ocorrido chame a atenção das pessoas para a violência que envolve o evento.

— Não quero que as pessoas sintam pena de mim porque sei que vou sair dessa. A intenção é mostrar a crueldade praticada contra os animais. A puxada de cavalos é igual a uma farra do boi — afirma a comerciante.

Outra manifestante, Patrícia Luz, também teve de ser levada ao Hospital Santa Isabel. Ela foi atingida por um pau, que trazia um prego na ponta, e teve a testa perfurada. Patrícia, já teve alta, e outros colegas que sofreram lesões, devem fazer o exame de corpo de delito ainda nesta segunda-feira.

Como foi

Os integrantes das ONGs Associação dos Melhores Amigos dos Bichos (AMA Bichos) e Associação de Proteção aos Animais de Blumenau (Aprablu) foram agredidos, no domingo, durante uma puxada de cavalos. Cerca de 30 participantes do evento partiram para cima dos 14 manifestantes, que faziam um protesto, com cartazes, contra o uso de cavalos em provas que medem a força do animal.

Na competição, os bichos são forçados a arrastar sacos de areia de até 2 toneladas sobre um arado por 10 metros em uma pista de terra. O evento, organizado pelo Clube do Cavalo, reunia 25 participantes, 60 animais e era assistido por cerca de 200 pessoas.

A Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e o Samu foram acionados, mas chegaram cerca de 15 minutos após o protesto. Os manifestantes foram à delegacia registrar boletim de ocorrência.

Voluntária da AMA Bichos, Heike Weege, disse que a entidade irá acionar juridicamente a organização da puxada pela violência contra os membros das ONGs.

Prefeitura se opõe à violência

A partir desta segunda-feira, o município irá abrir uma discussão com os moradores sobre a puxada de cavalo, evento tradicional que ocorre todos os anos na cidade. A intenção é evitar que problemas como o de domingo prejudiquem a imagem da cidade.

O secretário de Turismo, Cláudio Krueger, lembrou que a puxada é particular e faz parte do calendário dos Clubes de Caça e Tiro, e não do calendário oficial de eventos da cidade.

— Não apoiamos este tipo de prática, tanto que não ajudamos nem na divulgação. Teremos que repensar, pois este tipo de violência traz uma imagem negativa para o município — afirmou Krueger.

Além da discussão com a sociedade, a prefeitura prepara uma nota de repúdio às agressões contra as organizações não-governamentais, que foram até o local protestar a favor do bem-estar dos animais, e à repressão contra a liberdade de imprensa, pois equipes de reportagem foram agredidas e tiveram equipamentos quebrados pelos organizadores da puxada.


Reputação ameaçada

 

Autodenominada a cidade mais alemã do Brasil, Pomerode foi palco de um ato de selvageria no início da tarde de ontem, quando um grupo de participantes da competição conhecida como puxada de cavalos partiu para a agressão com paus e pedras sobre manifestantes que protestavam contra o evento. Mesmo que os praticantes e defensores da puxada não vejam ilegalidade, imoralidade e crueldade no fato de os animais serem obrigados a movimentar cargas de até duas toneladas atreladas a seu corpo, nada justifica o uso da violência para silenciar a voz daqueles que se opõem a tais práticas, principalmente quando esta transcorre num espaço público. Diante da gravidade do ocorrido, as autoridades do município estão obrigadas a investigar, identificar e punir rigorosamente os responsáveis, de forma a sinalizar claramente à sociedade catarinense que os acontecimentos de domingo à tarde foram isolados e que a crueldade que alimenta o espírito dos participantes da puxada está reservada aos animais. Em jogo, está a reputação da cidade mais alemã – ou não? – do Brasil.

http://www.clicrbs.com.br/jsc/sc/impressa/4,185,2877067,14525

Atualizado em ( 03-Jun-2010 )
 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal