Tráfico é ameaça para animais silvestres PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - BRASIL
19-Fev-2013
 
Mesmo que prevista em lei como ação criminosa, a prática de vender ilegalmente aves silvestres ainda é feita

Por uma questão financeira e cultural, que remonta ao século XIX, há pessoas que fazem tráfico de animais silvestres e há aqueles que criam em cativeiro bichos da fauna nordestina. Outros caçam por puro esporte e prazer. As aves são uma das espécies mais ameaçadas: golinha, bigodeiro, caboclinho do sertão, galo de campina (cabeça vermelha), papa-capim, canário da terra, sabiá e papagaio integram a lista dos que mais sofrem com a ação predadora humana.

O Sabiá está entre os pássaros mais afetados com a ação predatória humana. Há criatórios legais para proteção FOTO: HONÓRIO BARBOSA
O Sabiá está entre os pássaros mais afetados com a ação predatória humana. Há criatórios legais para proteção FOTO: HONÓRIO BARBOSA
O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) trabalha em duas frentes: fiscaliza e combate o tráfico de animais silvestres e faz a recuperação das aves, devolvendo-as à natureza, ao habitat natural ou às unidades conservacionistas. A luta é desigual. O número de fiscais é reduzido, enquanto que a quantidade de traficantes parece ser crescente, numa proporção bem maior e presentes em todos os municípios.

O resultado dessa desproporção é evidente: as aves, que até bem pouco tempo eram vistas no sertão cearense, estão desaparecendo ante a ação predadora do homem. O canário da terra é um exemplo. Existia em quantidade nas matas e nas roças do Interior. "Hoje é caçado e apreendido no Peru e na Bolívia e trazidos para cá", observa o chefe substituto do escritório regional do Ibama, em Iguatu, Alberto Castro. "O canarinho não tem mais na nossa região".

Na região dos Inhamuns e nos Sertões de Crateús, o tráfico de aves é mais intenso. Depois de apreendidos, os passarinhos são levados para comercialização nas cidades do Interior e grande parte é vendida nas feiras de pássaros em Messejana e na Avenida José Bastos, em Fortaleza. Outros são levados para São Paulo e Rio de Janeiro, por meio de ônibus clandestino, para satisfazer o desejo de criação de nordestinos que migraram para a região Sudeste. Nos últimos anos, houve intensificação do tráfico de papagaios. Os traficantes mudaram a sistemática, deixando de apreender as aves. "O papagaio é um pássaro que só reproduz no mesmo lugar", disse Alberto Castro. "Os comerciantes ilegais retiram os ovos dos ninhos, deixando apenas um só, e os chocam em casa para comercialização dos filhotes". O valor de comercialização do papagaio varia entre R$ 200,00 a R$ 400,00. O preço de uma ave silvestre, nativa do sertão, em feira livre, oscila entre R$ 10,00 e R$ 50,00. "Quanto mais tempo de gaiola, mais manso for o pássaro, mais valor terá", explica Castro. "A ave que canta é mais valorizada".

Araras, tucanos e macacos costumam vir dos Estados do Piauí e Maranhão e da região Norte. O meio mais comum de transporte ilegal dessas aves é através de caminhoneiros que transportam madeiras (caibros, linhas e ripas) para o Ceará. "São vendidas nas estradas e algumas são de origens de reservas indígenas", observou Castro. "Os caminhoneiros recebem encomendas ou trazem esses animais para revenda em pontos certos".

Falta de pessoal

O escritório regional do Ibama, em Iguatu, tem uma área de abrangência de 26 municípios e dispõe de apenas dois fiscais, além do chefe da unidade administrativa. O órgão realiza várias atividades, além de fiscalização. "É impossível darmos conta de toda a área. Geralmente, agimos mediante denúncias de moradores preocupados com a questão ecológica", disse ele.

O Ibama conta com a parceria com a Polícia Militar Ambiental e nos últimos anos cresceu o envolvimento ecológico de delegados e agentes da Polícia Civil que contribuem no combate ao tráfico de animais silvestres. "Os jovens, estudantes, que recebem educação ambiental estão conscientes e não agem igualmente como os da geração passada", observa Castro. "Há uma nova consciência e, por isso, houve redução de matança e apreensão de animais".

Apesar da preocupação ambiental entre os jovens, ainda há os caçadores e comerciantes de exemplares da fauna sertaneja. Uma prática condenável, mas ainda existente, embora em menor número, é a queima com uma agulha aquecida dos olhos do sabiá e do pássaro preto. Na música "Assum Preto", composição de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga, há uma clara denúncia a essa prática que remonta ao século passado.

Os animais aprendidos pela fiscalização, devolvidos, resgatados e capturados em feiras e em cativeiros são levados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), em Fortaleza. Implantada em 2008, a unidade recebe uma média de 400 animais por mês. A maioria, cerca de 80%, é de pássaros.

A Cetas funciona como um verdadeiro hospital de animais. Dispõe de instalações para recuperação das aves, ambulatório e assistência de veterinários e de uma equipe de biólogos. Recebem alimentação adequada e tratamento. "Só não recebemos mamíferos aquáticos", explica o analista ambiental da unidade, Alberto Klefasz. "Os animais chegam debilitados, desnutridos, cansados e com fome, porque ficam em espaço superlotado".

Ação ilegal está maior

ImagePapagaios , tucanos e araras sofrem maus-tratos pelos traficantes. Araras, tucanos e macacos costumam vir dos Estados do Piauí e Maranhão e da região Norte. Nos últimos anos, houve intensificação do tráfico de papagaios. Os traficantes mudaram a sistemática, deixando de apreender as aves. Os comerciantes ilegais retiram os ovos dos ninhos, deixando apenas um só, e os chocam em casa. Na região dos Inhamuns e nos Sertões de Crateús, o tráfico de aves é mais intenso. Depois de apreendidos, os passarinhos são levados para comercialização nas cidades do Interior e grande parte é vendida nas feiras de pássaros em Messejana e na Avenida José Bastos, em Fortaleza.

Blog Bem-Estar Pet

Para ler sobre animais de estimação confira o endereço http://blogs.diariodonordeste.com.br/bemestarpet
Facebook Valeria Feitosa

Mais informações

Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama
(85) 3474. 0001
Escritório regional do Ibama em Iguatu - (88) 3581. 2349

HONÓRIO BARBOSA
REPÓRTER
 
 

 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal