A A A
Vacina com excesso de proteína matou cães e gatos PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - BRASIL
04-Out-2011
 
Análise da injeção antirrábica aplicada em 2010 apontou falha como possível causa de reações fatais em animais
Vacinação do governo deverá ser feita com medicação produzida por outro laboratório até o final deste ano

SÍLVIA CORRÊA - COLUNISTA DA FOLHA
A vacina antirrábica distribuída pelo Ministério da Saúde para a campanha de imunização de cães e gatos de 2010 tinha excesso de proteínas bovinas. É essa a conclusão da análise feita pela Universidade de São Paulo e obtida pela Folha.

A principal hipótese dos pesquisadores é que, em concentrações elevadas, essas proteínas tenham desencadeado reações alérgicas extremas em alguns animais, levando parte deles à morte.

Com base nessa constatação, o Ministério da Saúde exigiu alterações na fabricação da vacina para aceitá-la na campanha deste ano. O ministério reconhece que 283 reações graves podem ser relacionadas à vacina -210 mortes de cães e gatos.

Na ocasião das mortes, no entanto, só o governo de São Paulo anunciou o registro de 2.627 casos de reação. As reações levaram o governo a suspender a campanha e atrasá-la neste ano. Feita geralmente em agosto, ela ainda não aconteceu na maioria dos Estados.

Em 2010, a vacina foi feita pelo laboratório Biovet. Neste ano, as doses serão produzidas pelo Tecpar (Instituto Tecnológico do Paraná).

Até 2009, o Ministério da Saúde distribuía doses da vacina fabricadas por meio de método diferente do utilizado no ano passado.

A USP analisou as doses da vacina a pedido da comissão permanente de raiva de São Paulo. "Sabíamos que outros países haviam tido problemas com o excesso de proteínas bovinas [EUA em 2005 e Japão em 2006]. Por isso, decidimos mensurá-las", diz o veterinário Marco Antonio Stephano, responsável pelo Laboratório de Imunobiológicos e Biofármacos do Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP.

CONCENTRAÇÃO

Obtidas do soro do animal, essas proteínas servem para alimentar a cultura de células na qual o vírus da raiva deve se multiplicar. Após a multiplicação, a mistura tem de ser muito bem purificada -o que não aconteceu, segundo as análises. Nas vacinas disponíveis no mercado, a concentração de proteínas bovinas é de cerca de 0,25 mg/ml. Na antirrábica usada em 2010 estava em 1 mg/ml.

Os cães tiveram vômito, diarreia sanguinolenta, dificuldade respiratória e hemorragia gastrointestinal. Os gatos, alterações respiratórias que levaram à apatia e à inanição. São quadros compatíveis com choque anafilático.

"Reações adversas sempre existirão, mas nossa expectativa é que os índices voltem aos níveis históricos", diz Stephano. Em São Paulo, em 2010, foram registradas 4,19 reações adversas para cada mil vacinados, índice muito acima de anos anteriores (0,06 animal por mil).

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff0410201110.htm
 

 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal