A A A
Políticas preventivas são necessárias para a conservação das tartarugas marinhas em Alagoas PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - BRASIL
21-Nov-2012
 
Óbitos de tartarugas marinhas são registrado quase que diariamente em AL e problema segue sem a atenção do poder público

Jessica Pacheco
‘Até quando?’ esse a pergunta mais questionada por ambientalistas e especialistas que atuam com a causa marinha em Alagoas. Com os casos quase que diários de óbitos de tartarugas marinhas e sem nenhuma intervenção do poder público para identificar e coibir esses registros negativos, a conservação desses animais em extinção está cada vez mais comprometida.

Para o biólogo e diretor executivo do Instituto Biota de Conservação, Bruno Stefanis, que atua com causa de encalhes e mortes desses animais marinhos desde 2009 [ano de fundação da ONG], é preciso ser feito algo de imediatamente para brecar esse alto número de registros negativos nas praias alagoanas.

“De imediato, seria [necessário] intensificar a fiscalização da pesca. Ver se o pessoal está respeitando a época de defeso, se utiliza o dispositivo de escape de tartarugas (TED) e também políticas educativas em colônias de pescadores”, resumiu o especialista. “Ensinar os pescadores primeiros socorros para as tartarugas é essencial. Às vezes aconteceu de uma tartaruga entrar na rede de pesca e desmaiar com a pancada, sem perceber o pescador joga ela de volta ao mar e acontece o mesmo que aconteceria se jogássemos uma pessoa desmaiada dentro do mar, ela morre”, explicou Bruno. "Educação para a população também é uma questão muito importante, pra que não matem, não arrenquem partes do animais, não comam a carne, 'por que já estava morta', é um animal em extinção e a população precisa aprender que não pode".

Segundo biólogo, não está sendo possível identificar o que vem causando os registros negativos, então, políticas preventivas para que o animal não chegue ao óbito devem ser focadas para solucionar o problema.
“Três fatores nos impedem de chegar a causa realmente. Primeiro, a tartaruga morre no mar e chega a praia podre e isso já inviabiliza a necropsia. Segundo, o Biota, por conta dos recursos escassos, não tem como ir a todos os encalhes, o que já deixa a nossa quantificação comprometida e, terceiro, não é sempre que contamos com médicos veterinários para realizar o procedimento, pois o biólogo não pode realizar a necropsia”, explicou Bruno.

Por esses motivos, Stefanis, acredita que a ‘prevenção é o melhor’ remédio. Até porque, segundo ele, reabilitar o animal não tem nenhum valor para a conservação da espécie, é necessário impedir que a espécie sofra com as ações humanas.

“Conservação é realizar ações que impeçam que o animal chegue ao óbito, é prevenir. E reabilitar o animal, não vai impedir que aquilo que o deixou doente volte a atingi-lo”, finalizou o especialista.
 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal