A A A
CORREDORES DA VIDA SELVAGEM. POR QUE ANIMAIS E PLANTAS PRECISAM DELES PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - MUNDO
04-Abr-2016

No mundo todo, espécies animais e vegetais estão desaparecendo num ritmo muito mais rápido do que a taxa histórica de extinção. Um dos principais motivos é a perda dos seus habitats. principalmente devido ao desmatamento e à ocupação dos territórios pelos humanos e suas atividades. Os corredores ecológicos estabelecem uma conexão entre habitats ilhados, e são urgentemente necessários para preservar muitas centenas de espécies seriamente ameaçadas de extinção.


Na França, cervo macho se prepara para passar por um corredor em forma de túnel.


Por: Russell McLendon
Os seres humanos estão agora mais conectados do que nunca, graças a conveniências modernas como rodovias, jatos jumbo, mídias sociais e smartphones. Ao mesmo tempo, os animais selvagens ao redor do mundo estão cada vez mais desconectados, ilhados em pequenas áreas de vida natural e cercados por um crescente mar de gente.

A perda de habitat tornou-se a ameaça número 1 da vida selvagem na Terra. É a principal razão pela qual 85 por cento de todas as espécies da Lista Vermelha da IUCN estão em perigo. O fenômeno é gravíssimo para a conservação da biodiversidade, e poderá levar a uma nova de extinção em massa, com espécies desaparecendo agora milhares de vezes mais do que a sua taxa histórica. Tudo isso acontece devido a atividades humanas tais como o desmatamento insustentável. Ele prejudica os ecossistemas de maneira direta, sem falar dos perigos mais sutis, como a fragmentação do habitat por estradas, edifícios e fazendas e a degradação do meio ambiente pela poluição e as alterações climáticas.
 

Um típico corredor ecológico construído sobre complexo de autoestradas, nos Estados Unidos.


"Pequenos fragmentos de habitat conseguem apenas sustentar pequenas populações de plantas e animais", diz Nick Haddad, biólogo da Universidade Estadual da Carolina do Norte que passou 20 anos estudando como a vida selvagem se locomove e migra de uma região para outra. "O que distingue as populações que vivem nesses fragmentos de territórios não é apenas a sua dimensão. É também a sua capacidade de interagir com outras plantas e animais da mesma variedade."

As primeiras vítimas da perda de habitat são muitas vezes os grandes predadores cujas vidas dependem de constante deslocamento. E uma vez que qualquer habitat animal começa a encolher, outros riscos, como doenças, espécies invasoras ou caça ilegal começam a crescer.
 

A onça-pintada, maior felino das Américas, está seriamente ameaçada de extinção por causa da redução do seu habitat.


"Quando os grandes carnívoros não conseguem viajar para encontrar novos parceiros e diferentes tipos de comida, eles começam a sofrer distúrbios genéticos porque passam a se reproduzir de forma endogâmica", diz Kim Vacariu, diretor ocidental da Wildlands Network (Rede de Terras Selvagens), um grupo sem fins lucrativos com sede em Seattle cujo foco de trabalho é a conectividade entre habitats. "A endogamia (reprodução entre animais com patrimônio genético idêntico ou muito próximo) é a precursora da extinção. Uma vez que os o distúrbios genéticos começam a acontecer, eles passam a ser mais suscetíveis a diferentes tipos de doenças, e suas expectativas de vida se tornam muito mais frágeis."

Felizmente, não temos como construir estradas ou realocar cidades para corrigir isto. É surpreendentemente possível coexistir com a vida selvagem, desde que separemos espaços suficientes para fornecer zonas de proteção entre nós. E isso não significa apenas proteger uma miscelânea de habitats; mas também reconectá-los através de “corredores de vida selvagem”  e "estradas de vida selvagem" em grande escala, semelhante à maneira com que construímos estradas para conectar nossos próprios habitats.
 

A Flórida é um dos estados norte-americanos mais bem servidos em matéria de corredores ecológicos. Na ilustração, em verde, as áreas selvagens desse estado com seus respectivos corredores de interligação.


Trilhas felizes

Os cientistas há muito confirmaram que é melhor para as espécies ter grandes e ininterruptos habitats ao invés de pedaços isolados, mas essa ideia levou um tempo para chamar a atenção da população. Isso é em parte devido à velocidade recente dos declínios da vida selvagem, mas também porque finalmente temos dados para provar que os corredores funcionam.

"Praticamente desde a origem da biologia de conservação, os corredores foram recomendados", diz Haddad. "Se você olhar para o estado natural dos habitats, eles eram grandes e expansivos, antes que as pessoas os fatiassem e picotassem então reconectá-los fez algum sentido intuitivo. Mas, então, a pergunta era: 'os corredores realmente funcionam? ' E nos últimos 10 ou 20 anos, nós começamos a provar que sim, eles funcionam."

Corredores de vida selvagem estão agora em voga. Não só se tornaram uma parte fundamental dos planos governamentais de recuperação das espécies, mas também eles já estão ajudando a reviver coleção variada de animais raros de todo o mundo, desde leopardos de Amur e panteras da Flórida até pandas gigantes e elefantes africanos. Os corredores se tornaram especialmente importante em face às mudanças climáticas de alta velocidade, uma vez que o aumento da temperatura e outras alterações ambientais estão forçando muitas espécies a se adaptar ao se moverem para habitats mais frios, mais elevados, mais úmidos ou mais secos - uma solução que só é possível se eles não estiverem presos onde vivem atualmente.
 

Estudo para implantação de corredores ecológicos em área do interior dos Estados Unidos


Em lugares onde os corredores são destruídos pela civilização, há uma tendência entre os grupos de conservação para promover a conscientização com longas expedições através das partes mais selvagens do que sobrou. Os exploradores e organizadores também estão usando a fotografia digital e mídias sociais para compartilhar a experiência com seguidores no mundo todo. É uma estratégia que beneficia o nosso amor inato por aventura, semelhante à forma como o Appalachian Trail foi criado para os excursionistas na década de 30 ainda também fornece 2.000 milhas (aproximadamente 3.200 Km)  de habitat para a vida selvagem. (Essa conectividade, juntamente com a topografia diversificada, é a grande razão pela qual Appalachia é agora considerado um refúgio climático.)

Ciência Exploratória

A Expedição Corredor da Vida Selvagem da Florida, por exemplo, terminou recentemente a sua segunda odisseia para destacar ligações ecológicas enfraquecidas desse estado. A viagem inaugural do grupo em 2012 mediu 1.000 milhas (1.600 Km) em 100 dias desde Everglades até o Pântano Okefenokee, inspirando uma ampla cobertura da notícia e um documentário sobre a viagem. Isso preparou o palco para o bis em 2015, que enviou três exploradores 900 milhas (1.450 Km) do Pântano  Green para a Praia de Pensacola, onde chegaram em 19 de março após 70 dias de caminhadas, ciclismo e remo.
 

Jovem cervo quase é atropelado em estrada norte-americana.


"Há um acordo bastante generalizado que do ponto de vista da biodiversidade, que é melhor manter a paisagem de uma maneira conectada ao invés de deixar ilhas se formarem em torno de nós", diz Joe Guthrie, um biólogo que falou à MNN por telefone durante a etapa final da expedição 2015. "E para a Flórida, é importante como uma moldura para representar um esboço do que o estado pode parecer, construindo o estado do ponto de vista da conservação. Nós construímos o estado de muitas maneiras para infraestrutura humana, então agora vamos ter também  uma visão da Flórida, que pode dar certo também para a vida selvagem e para a água. "

 O fotógrafo Carlton Ward Jr. e o conservacionista Mallory Lykes Dimmitt, que também é diretor executivo do grupo, se juntaram à Guthrie em 2012 e 2015. As viagens têm chamado a atenção das pessoas na Flórida e outros lugares, Dimmitt diz, em parte porque elas nos remetem à histórias da nossa própria espécie como exploradores.

"Conectar esses habitats é importante para a movimentação e mistura genética de diferentes populações de animais", diz ela. "Mas há também a oportunidade para a recreação. Acho que as pessoas gostam da ideia de serem capazes de começar em algum lugar e continuar a deixar as coisas acontecerem." O Corredor da Vida Selvagem da Flórida ainda está em grande parte intacto, mas apenas cerca de 60 por cento é protegido e, como Ward observa, "as rodovias nunca estão tão longe."

O corredor é também chamado de "estrada selvagem"
 

A Wildlands Network usou aventuras semelhantes para promover uma visão ainda mais ambiciosa. Co-fundador John Davis   passou a maior parte de 2011, explorando a Estrada Selvagem Leste proposta, uma peregrinação de 7.600 milhas ( 12.200 quilômetros) de Key Largo até Quebec ele narrou em seu blog TrekEast. Ele seguiu em 2013 com o TrekWest, que cobriu a Estrada Selvagem do Oeste de 5.200 milhas (8.370Km  do México ao Canadá em oito meses.

Um corredor da vida selvagem pode ser de qualquer tamanho, incluindo pequenas rotas utilizadas por salamandras ou insetos, mas a Wildlands Network objetiva vias de escala continental para animais grandes, especialmente os carnívoros. A rede identificou quatro grandes estradas selvagens em toda a América do Norte, cada uma das quais é uma rede isolada de corredores regionais que a rede está tentando unir.

"Uma estrada selvagem incorpora centenas de corredores de vida selvagem", diz Vacariu. "Cada corredor é uma entidade em si mesma, porque são muito diferentes. Você pode ter uma que engloba todo vale do rio, e você pode ter uma que segue os topos das montanhas. Tudo depende da espécie que você está tentando proteger."
 

Os lobos, extintos em vários países, foram reintroduzidos na Europa e nos Estados Unidos, ajudando na recomposição do equilíbrio natural desses lugares.

Benefício Ecológico Para o Topo

Os carnívoros são muitas vezes o foco principal do corredor de conservação em grande escala, mas não apenas por causa deles. Os predadores do topo tendem a serem espécies-chave, que ajudam a manter ecossistemas inteiros em equilíbrio.

"Quando grandes carnívoros são retirados de um habitat, o efeito se propaga em toda a cadeia alimentar", diz Vacariu. "Os lobos foram completamente exterminados de Yellowstone nos anos 30, e ao longo das décadas seguintes, porque a sua principal presa, o alce, explodiu porque não havia predador de controle acima deles. Alces normalmente teriam que ser cautelosos ao ficarem parados em um lugar e enterrar suas cabeças na grama para comer, mas sem os lobos eles poderiam se tornar preguiçosos e mastigar todas as mudas de álamo alpino e choupos. E, basicamente, aquelas árvores pararam de reproduzir em Yellowstone devido à sobre pastagem maciça.”

Os lobos já foram reintroduzidos em Yellowstone, e já estão mantendo os alces sob controle. Isso deixou uma variedade de plantas florescerem novamente, o que por sua vez estão proporcionando benefícios extras como raízes que controlam a erosão do leito do rio, ramos que suportam ninhos de pássaros e frutos que ajudam ursos a engordar para o inverno.

Conservacionistas esperam imitar o habitat da reabilitação em toda a artéria Yellowstone até Yukon, e a mais ampla Estrada Selvagem do Oeste, bem como outros corredores centrados em carnívoros ao redor do mundo. A Iniciativa Corredor Onça Pintada visa construir habitats de onças pintadas em 15 países na  América Central e do Sul, por exemplo, e o Projeto de Paisagismo Terai Arc está trabalhando para conectar 11 áreas protegidas no Nepal e na Índia, criando um corredor para tigres, bem como outras vidas selvagens raras como elefantes e rinocerontes.
 

Setas vermelhas indicam a criação de ravinas e valetas mais ou menos profundas e cheias de vegetação, para que raposas e outros animais selvagens possam passar em um centro urbano.


Linhas borradas

Obviamente seria melhor se a vida selvagem pudesse permanecer no mundo das selvas, mas, por vezes, corredores de habitat precisam passar pela civilização. Isso pode significar a preservação de uma faixa de floresta para os chimpanzés entre aldeias, o plantio de árvores para as aves ao longo da divisa de uma fazenda, ou a construção de um viaduto ou túnel subterrâneo de vida selvagem para ajudar alces atravessarem uma estrada movimentada. Isto pode até significar aprender a ocasionalmente dividir espaço com animais selvagens, como a Iniciativa Corredor Onça-Pintada observa em seu site: "Um corredor de onças pintadas é uma fazenda de gado, uma plantação de citros, o quintal de alguém - um lugar onde as onças pintadas possam atravessar com segurança e ilesas."
 

Antigas florestas são transformadas em pradarias para o pastoreio ou para cultivos agrícolas, reduzindo o habitat selvagem.

Na maioria das vezes, os grandes animais selvagens não estão tentando comutar pelas cidades. Inicialmente, a fragmentação de habitats é muitas vezes causada por desenvolvimento menos intenso, como fazendas ou ranchos - e estes não são necessariamente incompatíveis com a vida selvagem. "Latifundiários privados tendem a surtar quando suas terras são identificadas como algo que precisa ser protegido", diz Vacariu. "Então, nos certificamos que a palavra " voluntário” esteja sempre inclusa. Latifundiários privados são convidados a gerenciar voluntariamente suas propriedades para conservação da natureza. E eles podem normalmente fazer isso sem alterar as suas operações."

Grupos de conservação, por vezes, pagam latifundiários nos países subdesenvolvidos para protegerem suas terras ou a plantar árvores ao longo das margens, uma estratégia que já está ajudando animais selvagens como os chimpanzés e elefantes em partes da África. Latifundiários também podem vender ou doar uma servidão de conservação, o que lhes permite manter a terra - e receber benefícios fiscais - ao mesmo tempo, protegendo-a permanentemente de desenvolvimento futuro.
 

A chuva ácida é hoje um importante fator de destruição do habitat natural. Na foto, floresta de pinheiros na Polônia, arrasada pelo fenômeno.


Mas preservar porções de natureza também pode recompensar latifundiários diretamente. Um estudo de 2013, por exemplo, descobriu que quando os produtores de café na Costa Rica deixam pedaços de floresta em suas plantações, pássaros nativos retribuem o favor comendo besouros brocas, uma praga de grãos de café que poderia arruinar as colheitas. Preservar as florestas em torno de fazendas também pode ajudar populações de raposas, corujas e outros predadores que controlam roedores, bem como morcegos insetívoros, que salvam agricultores norte-americanos uma estimativa de $ 3.7 bilhões todos os anos. As fazendas podem se misturar com a vida selvagem mais facilmente do que muitos outros tipos de uso da terra observa Dimmitt, por isso é importante para os conservacionistas verem agricultores e fazendeiros como aliados, e não adversários.

"A futura viabilidade do corredor da vida selvagem depende da viabilidade da agricultura na Flórida", diz ela. "O que tipicamente segue a agricultura é o desenvolvimento mais intensivo, então quanto mais mantivermos economias rurais fortes e quanto mais tempo mantivermos a agricultura forte, mais tempo essas terras ficam em um estado mais natural."
 

Na Flórida, a criação de reservas florestais interligadas por corredores salvou os ursos da extinção.


No entanto, apesar do papel que a agricultura pode desempenhar em reunir ecossistemas, mesmo campos agrícolas bem administrados somente são úteis se as espécies têm habitat natural suficiente em cada lado. Impedir a extinção em massa provavelmente exigirá um surto internacional de conservação da natureza nas próximas décadas, bem além dos 14 por cento de superfície terrestre que está atualmente protegida. Alguns biólogos até dizem que devemos separar metade do planeta para a vida selvagem e metade para as pessoas, um conceito conhecido como" Terra pela Metade."

Isso é um objetivo nobre, mas o seu âmbito assustador não deve ofuscar o incremento do progresso que nós podemos fazer nesse meio tempo. Afinal, semelhante a um sistema de autoestradas ou comentários no Facebook, a quantidade total dos habitats dos animais selvagens nem sempre é tão importante quanto a qualidade de suas ligações.

(*) Jornalista científico, Russell McLendon escreve no seu blog sobre as relações entre as comunidades humanas e a vida selvagem. Leia mais: http://www.mnn.com/leaderboard/blogs/why-wild-animals-need-wildlife-corridors#ixzz3WNGO9I49
 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal