A A A
Internet é o novo campo de batalha contra o tráfico de marfim PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - MUNDO
06-Mar-2013
RICARDO GARCIA
FONTES: NEW YORK TIMES; ELEPHANT STATUS REPORT; CITES; ETIS


FONTES: NEW YORK TIMES; ELEPHANT STATUS REPORT; CITES; ETIS
FONTES: NEW YORK TIMES; ELEPHANT STATUS REPORT; CITES; ETIS

Basta ir a qualquer site português de leilões na Internet: há dezenas de ofertas de produtos à base de marfim – de simples anéis a presas inteiras de elefantes. Mas praticamente não há informação que permita saber se o produto entrou no país legalmente ou não.

A Internet é o novo campo de batalha contra o tráfico ilegal de marfim, que está a matar 40 mil elefantes por ano. Um estudo da Interpol divulgado nesta quarta-feira na 16ª. conferência da Convenção Internacional sobre o Comércio de Espécies Selvagens (Cites, na sigla em inglês), em Banguecoque (Tailândia), abre uma pequena fresta sobre a dimensão do comércio de marfim online.

ImageEm 61 sites de leilões de nove países da União Europeia, consultados durante duas semanas, foram encontrados 660 anúncios onde, no total, estavam à venda um total de 4500 quilos de marfim, valendo quase 1,5 milhões de euros.Tal como acontece em Portugal, pouca informação havia quanto à legalidade do material.

Os elefantes estão protegidos pela Cites desde 1975. O comércio de presas ou de produtos derivados está praticamente proibido, salvo em circunstâncias especiais ou para populações de elefantes do Botswana, Namíbia, África do Sul e Zimbabué.

Qualquer material feito de marfim tem de ter um certificado a atestar que o produto foi adquirido legalmente – ou antes da entrada em vigor da Cites, ou vindo de países que ainda o podem exportar. Produtos anteriores a 1947, considerados como antiguidades, não necessitam de certificado.

Mas, genericamente, esta informação não consta dos anúncios nos leilões na Internet. “Poucas empresas na Internet têm políticas a regular a venda de marfim, e aqueles que as têm apresentam lacunas no cumprimento das suas próprias normas”, diz o relatório do Projecto Web, da Interpol.

“Não se sabe que parte do marfim encontrado nos leilões é ilegal”, conclui o estudo. Em apenas nove dos 660 anúncios havia indicação de que se tratava de marfim “novo” ou de transacções internacionais – um sintoma de possível ilegalidade, que levou à abertura de investigações paralelas nestes casos.

O estudo não indica quais os países que estiveram envolvidos no Projecto Web, que está integrado numa iniciativa maior da Interpol – o Projecto Wisdom – para ajudar as autoridades nacionais na conservação dos elefantes e rinocerontes. Mas Portugal não fazia parte da lista, segundo informação obtida pelo PÚBLICO.

Francisco Gonçalves, consultor do Fundo Internacional para o Bem-estar Animal (IFAW, na sigla em inglês), tem analisado alguns dos sites portugueses de leilões e constata que a situação não é diferente da descrita no relatório da Interpol. “O que vemos na Internet é que não há qualquer informação sobre a legalidade ou não dos produtos de marfim”, afirma.

A solução, segundo Gonçalves, seria adotar um sistema de certificação eletrónica, algo que já tem vindo a ser discutido no âmbito da Cites e já foi adotado pela República Checa.

Na segunda-feira passada, a Agência Internacional de Investigações – uma organização não-governamental – tinha já acusado a Google de estar a promover a venda de materiais provenientes de elefantes e de baleias no seu site de vendas no Japão. Numa consulta ao site, a organização encontrou cerca de 10.000 anúncios de produtos de marfim e 1400 de baleias.

Os ambientalistas apelaram à Google para banir tais anúncios. O site de vendas online eBay já adoptou esta medida em 2009, para os produtos de marfim.
 
 

 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal