A A A
SeaWorld admite que funcionários fingiam ser ativistas pró-animais PDF Imprimir E-mail
Noticias - ANIMAIS - MUNDO
25-Fev-2016
 
Grupo proibiu a prática em que funcionários se infiltravam entre ativistas.
ONG denunciou 'espião'; empresa diz que objetivo era garantir segurança.


Da France Presse

Orcas durante espetáculo no SeaWorld Orlando (Foto: Phelan M. Ebenhack/AP)


O grupo de parques temáticos SeaWorld proibiu, nesta quinta-feira (25), que seus funcionários se façam passar por ativistas pró-animais, ao admitir, pela primeira vez, que usou essa estratégia no passado, muito criticada por grupos defensores dos animais.

"O conselho administrativo instruiu os gerentes da companhia a pôr um fim à prática em que certos funcionários aparentavam ser ativistas dos direitos dos animais", indicou em um comunicado a empresa, conhecida por seus espetáculos com as orcas.

Com 11 parques temáticos nos Estados Unidos, o SeaWorld alegou ter utilizado essa estratégia "para organizar a segurança de seus funcionários, visitantes e animais contra as ameaças recebidas".

No ano passado, a organização de defesa dos animais Peta, crítica feroz do grupo pelo uso de orcas e de outros animais em suas atividades, denunciou o empregado da empresa Paul McComb, que havia se passado por ativista. McComb teria participado de pelo menos uma manifestação que terminou em detenções, além de propor protestos violentos.

Nesta quinta, o SeaWorld indicou que McComb continua trabalhando no grupo, mas que foi transferido "para outro departamento e já não se encontra em suspensão administrativa". A medida foi adotada quando a polêmica começou.

A vice-presidente da Peta, Tracy Reiman, lamentou que o "espião" continue na empresa, em um comunicado contra o grupo por supostos maus-tratos aos animais.

"As finanças do SeaWorld continuam caindo à medida que mais animais morrem em seus pequenos tanques, com uma morte a cada mês desde novembro", indicou Reiman.

Ela também pediu à empresa para "modernizar seu negócio", criando santuários para os animais, e não mais "prisões para golfinhos".

Críticas
A empresa sofreu um duro golpe em 2013 com a estreia do documentário "Blackfish". O filme denuncia os maus-tratos cometidos contra as orcas em seus cativeiros, vivendo em tanques reduzidos e com pouca luz.

O número de visitantes caiu e, desde então, o SeaWorld vem tentando reverter essa imagem com uma nova campanha publicitária e com descontos.

O grupo afirma que recebe mais de 22 milhões de visitantes por ano em seus parques.
 
 
 
< Anterior   Próximo >

Gostou? Compartilhe em sua rede social.

Escolha o Idioma

Veja também

Nossas Lutas
Aconteceu
Utilidade
Direito Animal
Cyberativismo
Textos
Fatos Reais
Websites e Blogs
Curiosidades
Galeria

Anunciantes

J_Adore_Mes_Amis_Le_Bidou
 
 
Roberto Roperto - Pizzas Vegetarianas
Nova pagina 1

Mantenha-se atualizado

Escolha como deseja se comunicar conosco ou receber as nossas notícias e informações. Estamos no Facebook, pode ser também pelo RSS FEED clicando ao lado direito, pelo TWITTER, no nosso BLOG ou então pelo nosso Grupo no YAHOO. Quer assistir alguns vídeos interessantes, acesse o nosso Canal no YouTube. Não será por falta de opções que você ficará desinformado. Não é mesmo?

Direitos Reservados - Tribuna Animal